Cada uma de mim, pra cada um de vc diferente

Há alguns anos eu pensava que essa coisa de ser uma pessoa em cada lugar era exatamente a mesma coisa que ser falso. Esclareço: eu achava, do topo da montanha da verdade (sim, eu já estive lá), que deveríamos ser exatamente a mesma pessoa no bar, com os amigos, e também no escritório, com as interfaces de trabalho. E que qualquer coisa diferente disso era maquiar o seu verdadeiro eu – o pior pecado que alguém poderia cometer.

Sobre a parte de ser falso e se maquiar, nesse sentido, continuo com a mesma opinião. Mais dura, menos maleável, como algumas coisas ainda são em mim. No entanto, veja vc, hoje em dia defendo, com unhas, dentes e um pouquinho de graça, que nós não temos que ser os mesmos sempre. Digo, na forma. E o que rege a adequação não é o lugar, mas sim o interlocutor com quem lidamos.

Tá bom. Esse negócio tá chato. Complexo, abstrato, nada a ver.
Vamos começar de novo.

Era uma vez, eu.
Que falava palavrão em todos os lugares, era super honesta em todos os lugares, me metia sem ser chamada em todos os assuntos de todos os lugares e, por consequência, com qualquer um.

Sei que tem gente se perguntando “e mudou alguma coisa?”. Engraçadinhos.

Mudou.
Hoje eu falo palavrão com os meus amigos e/ou com pessoas próximas em situações descontraídas. De vez em quando sai sem querer, sabe como é, raiva e tal. Mas eu tento ser lady.

Hoje eu falo de livros com quem gosta de livros.
Hoje eu falo de Big Brother com quem gosta de Big Brother.
Hoje eu emito a minha opinião a quem solicita. Elas continuam todas aqui, sobre tudo e, quando eu não me aguento (acontece), pergunto se posso opinar. Às vezes, ouço que não: o falar era retórico. E eu fico quieta.

Mas sabe, nem é esse o ponto.
Eu queria passar pro outro lado. Para o lado de quem nos vê.

Tem gente que me vê erudita e quer falar de livros.
Tem gente que me vê receptiva pra falar de Big Brother.
Tem gente que me vê como um pedaço de carne para desfrutar.
Tem gente que vê uma boa parceira de dança, ou companheira de bebida, ou enxerida, ou prepotente, ou louca/maluca/doida (essa ouço bastante), ou abusada ou… nada.

É que, pra algumas pessoas, a gente não fede nem cheira. E tudo bem. Porque algumas pessoas tbm não fazem diferença pra gente. E tudo bem. Não significa que não gostamos. Pode ser só um desencontro de oportunidades para conhecrer melhor, mas essa coisa latina do ter que ser amado é que estraga tudo.

Legal é perceber que a maneira como alguém nos vê é, muito, reflexo de quem nos mostramos ser. Em algum momento ou ao longo dos anos. E muito interessante perceber como podem passar encarnações inteiras (literal e metaforicamente) que aquela sensação, aquele pré-conceito, fica. E se a primeira impressão é a que fica… Bem. Paciência.

Basicamente eu desisti de convencer o mundo de que eu sou quem eu sou. Porque quem eu sou depende de um monte de coisa. Depende de um monte de gente. Não a parte essencial, claro, mas essa transparece, involuntariamente. Eu estou falando de forma. Não de essência.

O seu sorriso não deixa de ser o seu sorriso porque vc usa terno ou tem a tatuagem à mostra. Isso seria ser falso. Ele só muda o volume, o abrir de dentes, a duração e a intensidade. Torna-se um riso ou uma gargalhada, dependendo de quem (ou o quê) o desperta.

Vc não vai rir do mesmo jeito, em qualquer lugar, com qualquer pessoa, como vc ri ao ser alvo de cócegas no sofá de casa, em plena madrugada, por alguém especial.

No fim das contas, eu falo de adequação. Do perceber-se. De sentir e ler a reação do outro. E de portar-se de acordo. De assumir-se com roupagem diferenciada, mas a melhor que cabe naquele momento.

Eu falo de saber-se parte, conscientemente, de um todo que pode melhorar todo dia, com um regular de palavras e de gestos e de intenções. De ter uma de mim, para cada um de vc.

Era uma vez um monte de eu.

Anúncios

Sobre Ana Gomes

Profissionalmente, mais aqui >> https://br.linkedin.com/in/anacgomes
Esta entrada foi publicada em Outras coisas. ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s